Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Entre a Terra e o Mar: as Mulheres, a Economia e o Ordenamento do território

Espfinal  1  1 1024 2500
23 Jun


Ciclo de Conferências “Estórias do Minho – Narrativas no Feminino de uma Geografia Identitária” em debate no dia 26 de junho em Esposende.
O Consórcio Minho Inovação, que integra as três Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, promove, no próximo sábado, dia 26 de junho, em Esposende, o Ciclo de Conferências “Estórias do Minho – Narrativas no Feminino de uma Geografia Identitária”, no âmbito do projeto âncora “PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho”, cofinanciado pelo Norte 2020.
A 11.ª conferência terá lugar às 17 horas, no Auditório Municipal de Esposende e será proferida por Ana Isabel Lopes, tendo como tema “Entre a Terra e o Mar: as Mulheres, a Economia e o Ordenamento do território" e pretende constituir um momento de análise e de reconhecimento do papel que as Mulheres foram desempenhando ao longo do tempo numa comunidade fortemente marcada pelo mar e pelo rio, não só enquanto elemento de suporte ao trabalho e universos masculinos, mas também, e principalmente, enquanto força autónoma que trabalha, gera, cria e governa.
Ana Isabel Alves Costa irá falar sobre as comunidades litorais, onde a pluriatividade era uma evidência, designadamente entre as famílias dos marítimos. Aí, sobretudo as mulheres, praticavam várias atividades entre a terra e o mar, garantindo a continuidade entre estes espaços e os rendimentos. Destaca-se o papel indispensável das mulheres que lhes conferia um controlo da gestão da economia da casa, como demonstra a documentação da Câmara Municipal de Esposende, em ambas as margens da foz do Cávado, ao longo do século XIX, onde se observa como era recorrente as mulheres auxiliarem no transporte de madeira serrada, conduzindo-a pelo rio em embarcações de fundo chato puxados à vara, desde Fornelos e Gemeses, sendo-lhes paga a jorna correspondente.
A documentação consultada permitiu, ainda, aferir que a mulher, pelo transporte desta matéria-prima, se constituía como um importante elemento da “indústria” naval e ainda mais fundamental na proteção do território junto do Cávado e do Atlântico, através da construção e preservação de defesas contra “as areias impelidas pelo vento” e as aluviões.
A conferência irá contar com a participação de um reputado painel de investigadoras, constituído por Sara Pinto, doutorada em História e investigadora do CITCEM, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que tem desenvolvido trabalho na área da História das Comunidades Marítimas; por Nuno Miguel Costa, antropólogo e Diretor do Museu Marítimo de Ílhavo, com trabalho académico desenvolvido sobre as questões de género na pesca do bacalhau e investigador do CIEMar-Ílhavo e, ainda, por Ana Isabel Alves Lopes, Mestre em História e Património pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, cuja dissertação de mestrado incide sobre o estudo das causas, dos impactos e das respostas sociais e políticas face ao assoreamento da foz do rio Cávado, na freguesia de Fão, desde meados do século XVIII até 1870.
A Mesa Redonda será moderada por António Maranhão Peixoto, Licenciado em História e Pós-Graduado em Ciências Documentais, opção de Arquivo pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e Presidente do Conselho de Administração da Empresa Esposende 2000).
A abrir e a encerrar a conferência de Esposende, haverá momentos musicais da responsabilidade da Escola de Música de Esposende que apresenta o Coro de Câmara Feminino. Em representação da Voz da Mulher, em profunda correlação entre o artístico e o real, o coro de câmara feminino interpreta o profano e o sagrado pela Voz feminina, com inspiração entre o erudito e o popular, da voz que reza, cantando, as orações que abençoam o dia comum de quem sofre por quem está ou parte para o Mar.
Neste Ciclo de Conferências, que percorrerá os 24 municípios do Minho, pretende-se valorizar um olhar inovador sobre a herança cultural do Minho rememorada no feminino, enquanto sociedade de forte tradição matriarcal, propiciando uma narrativa congregadora de saberes e de valores identitários que importam estudar, conhecer, cuidar, preservar, valorizar e divulgar.
A participação nestas sessões é gratuita; contudo e considerando as regras de ocupação do Auditório Municipal de Esposende por razões de segurança sanitária, solicitamos, que, na possibilidade de participação, a inscrição seja efetuada através do site https://www.esposende2000.pt/pt/31-auditorio/, de forma a procedermos à respetiva reserva. As inscrições são limitadas, assegurando as recomendações e regras da DGS (orientação 028/DGS) na prevenção do Covid_19. Este projeto insere-se no contexto do contributo que Esposende pretende dar ao cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).
A conferência será transmitida on-line através do Facebook do Município de Esposende.