Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

História do Serviço

O arquivo, enquanto espaço físico (arca, sala...) para a conservação e ordenação dos principais documentos do concelho, sempre existiu ao longo da história da Câmara Municipal.

  • 1968

    Transferência dos documentos do arquivo, de um edifício anexo ao então posto do turismo, para um edifício arrendado na rua da Nogueira.

  • 1979

    Transferência do Arquivo do edifício da Rua da Nogueira para a antiga repartição das obras.

  • 1980

    Documentação que se encontrava dispersa num edifício alugado e na antiga repartição de obras, na rua 1.º de Dezembro, seria novamente reunida no edifício dos Paços do Concelho e contratada uma pessoa para realizar a transferência e organização do arquivo municipal.

  • 1985

    Adquiriu uma estrutura própria, enquanto serviço, com funcionários dedicados e funções especificadas com a estrutura orgânica do Município aprovada. Pela primeira vez, o Arquivo surgia enquanto setor orgânico dos serviços municipais integrando a Secção A da Repartição Administrativa e Financeira.

  • Anos 90

    Uma equipa da Universidade do Minho realizou a organização e tratamento do acervo, seguindo a classificação funcional apresentada por José Mariz e promovida pelo Instituto Português de Arquivos (IPA).

    Ao mesmo tempo, as competências do arquivo seriam, revistas na estrutura orgânica publicada em 1994, e passaria a estar integrado na Secção Central de Repartição Administrativa e Financeira.

  • 1999

    O Arquivo foi integrado na Secção de Arquivo e Património, pertencente aos Serviços Administrativos da Divisão Administrativa e Financeira.

    Contudo, a união dos serviços de Arquivo e Património seria revertida no ano de 2000 devido ao “facto de a Câmara Municipal de Esposende pretender apresentar uma candidatura ao Programa de Apoio à Rede de Arquivos Municipais – PARAM, implica uma autonomização daquele serviço, ou seja, o seu afastamento funcional e orgânico do sector do património.

  • 2000

    O Arquivo formaria uma secção autónoma, composta pelo Setor de Arquivo Geral e o Setor de Arquivo Histórico e inserido nos Serviços Administrativos da Divisão Administrativa e Financeira.

    Este novo quadro orgânico resultante do objetivo de uma candidatura ao PARAM constituiu o mais complexo e completo em termo de funções da Secção de Arquivo estando previsto, além dos dois setores mencionados, a existência de Serviços Administrativos, Serviços de Gestão Documental, Serviços de Informação e Serviços de Arquivística no seio da nova unidade.

  • 2002

    Aprovado o Regulamento do Arquivo Municipal de Esposende.

  • 2003

    O Arquivo Municipal constituiria um serviço próprio dependendo diretamente do Diretor do Departamento de Administração Geral.

    O Arquivo Municipal é igualmente dividido em dois setores: o Setor de Gestão Documental, responsável pela gestão corrente, as incorporações, transferências e processos de avaliação; e o Setor de Extensão Cultural e Apoio à Investigação, dedicado ao tratamento e classificação da documentação, realização de eventos e publicação de documentos do arquivo.

  • 2013

    O Serviço de Arquivo seria, em 2013, inserido na Divisão Administrativa e de Recursos Humanos.

  • 2018

    O Arquivo integra a Divisão de Educação, Cultura, Juventude e Desporto.

  • 2022

    No dia 16 de julho de 2022 as novas instalações e o catálogo online do Arquivo Municipal de Esposende foram inaugurados e apresentados à comunidade.

    A obra foi financiada pelo Plano de Ação de Regeneração Urbana (PARU).