Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

CONCERTO 'No Monte das Oliveiras'

Agenda
16 Mar '24
Fotografia: Abel Andrade

Sábado, 16 de março | 21h30

IGREJA DA MISERICÓRDIA DE ESPOSENDE

Ensemble Cardo-Roxo

O programa deste concerto é inteiramente dedicado à música católica tradicional portuguesa e compreende uma seleção de canções de devoção de várias regiões do país, que começam no louvor à vida, com a adoração a Maria e Jesus, e acabam na súplica desesperada pela salvação das almas do purgatório e no repertório próprio do Tempo da Quaresma.

Na tradição musical religiosa, praticamente todo o repertório é cantado. Se pensarmos que a religião une ou uniu durante centenas de anos as diferentes comunidades, é natural que exista um vasto repertório polifónico, mesmo que realizado à margem das celebrações. Paralelamente, como reflexo da espiritualidade e da necessidade individual de apaziguar a alma e manter acesa a vontade de viver, há ainda um vasto repertório a solo, constituído por rezas, súplicas e canções de louvor. “No Monte das Oliveiras” é, assim, uma representação da música devocional praticada pelo povo e inspiradas pelo pouco que compreendiam das escrituras da Bíblia. Na sua simplicidade, esta música reflete as angústias, os medos e as incertezas de um povo que compreende a sua insignificância e que vive, num limbo entre o certo e o errado, entre a beleza e o horror, entre a vida e a morte, entre o céu e o inferno.

O Ensemble Cardo-Roxo apresenta-se neste concerto num formato de coro de câmara, acompanhado por um efetivo de 5 instrumentistas: 2 violas da gamba, gaita de fole, teorba/guitarra barroca e percussão.

Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Esposende

Entrada livre, sujeita à limitação do espaço

Concerto integrado na programação cultural da Quaresma e Semana Santa e no Ciclo de Música sem Tempo


Cardo-Roxo_(foto-Abel-Andrade)

Cardo-Roxo, criado em 2012, é um ensemble dirigido por Antony Fernandes e Carmina Repas Gonçalves, cuja constituição depende do carácter de cada programa. Dedica-se à descoberta, exploração e divulgação do repertório de tradição oral português e tem como ponto de partida as fontes musicais que sobrevivem até hoje em registo áudio, vídeo, partitura ou tradição viva. Mantendo as características identitárias destas recolhas musicais, e através da mistura de instrumentos antigos e tradicionais (nomeadamente violas da gamba, gaitas de fole, alaúde, percussão, etc), da exploração vocal, e da fusão estética (música tradicional, antiga e contemporânea), criam uma sonoridade de grande originalidade e de surpreendente harmonia. A sua música apela a uma escuta ativa e ao silêncio enquanto desperta a memória coletiva, levando o público numa viagem sonora que envolve e conforta. Realizaram já seis edições discográficas de autor, cada uma sobre um tema diferente: "Alvorada" (2015), "Vai-te Cuca" (2016), "Volto Já" (2017), "No Monte das Oliveiras" (2019), "Bravio" (2022) e "Loendro", em colaboração com Raia (2022).