Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Município de Esposende garante alojamento a munícipes em isolamento social

Espaco ancora 1 1024 2500
16 Abril 2020

espaço âncora1

A pensar nos munícipes que, neste período de pandemia, necessitem de ficar em isolamento social e não o podem fazer nas suas residências habituais, o Município de Esposende criou o Projeto “ESPAÇOS ÂNCORA - Aqui Você fica e fica bem!”.

Esta iniciativa, inovadora e diferenciadora, surge para dar suporte às Zonas de Concentração e Alojamento das Populações (ZCAP), destinadas ao acolhimento e alojamento temporário da população que, por razão de risco de contração e/ou de propagação da doença, tem de ser evacuada das suas residências habituais, e a sua concretização resulta das sinergias geradas entre o Município de Esposende, a Proteção Civil, as instituições de saúde e os parceiros da Rede Social de Esposende.

A situação do estado de emergência, provocada pela pandemia do Coronavírus, exige respostas que salvaguardem o bem-estar dos munícipes que, por várias razões, se encontram em situação de vulnerabilidade, seja por não terem retaguarda familiar, seja porque não veem reunidas as condições habitacionais para suprir as necessidades nesta fase de pandemia, ou, por outro lado, estejam institucionalizados e se verifica a necessidade de, temporariamente, ficarem em isolamento social.

Ainda que em regime transitório e excecional, os Espaços Âncora assegurarão o bem-estar físico e mental dos residentes, garantindo cuidados pessoais e de saúde, atividades de desenvolvimento pessoal, nutrição e alimentação, bem como higiene, segurança e limpeza.

“Este projeto que nasce em tempos de pandemia, onde o ato de abrandar e não sair para longe é um bem necessário, tem por base a âncora, símbolo tão característico e associado às nossas gentes, que representa firmeza, força e tranquilidade”, explica o Presidente da Camara Municipal, Benjamim Pereira. “Sustentado na convicção de uma comunidade unida e solidária, o Projeto Âncora traz a esperança de ultrapassar a ‘tempestade’, com os menores riscos possíveis e com toda a ‘tripulação’ a bordo”, assegura.