Passar para o Conteúdo Principal

Cronologia

1885

Manuel Joaquim de Boaventura nasce a 15 de Agosto de 1885, na freguesia de Vila Chã, Esposende.


1892

A sua mãe, D. Balbina Gonçalves do Vale, morre, tinha Manuel de Boaventura sete anos de idade.


1898

Manuel de Boaventura faz o exame de instrução primária, em Leiria.


1901

Falecimento de seu pai, Albino Augusto Dias de Boaventura.


1903

Recebe o diploma de Professor Primário, no Magistério de Leiria, regressando depois ao Minho.


1904

Dedica-se aos estudos folclóricos e etnográficos, recolhendo lendas e tradições.


1905/1906

«O Solar dos Vermelhos» começa a ser publicado em rodapé, no semanário local, «O Esposendense».


1905

É colocado em Palmeira de Faro como Professor Primário.


1906

Contrai casamento com D. Ana da Conceição de Azevedo, fixando residência na freguesia de Palmeira de Faro, onde constitui família.


1911

Manuel de Boaventura torna-se editor e colaborador assíduo da «Revista do Minho».


1912

Após a Implantação da República, Manuel de Boaventura é feito prisioneiro no Colégio de S. Barnabé, em Braga. Aí, escreve «No presídio», diário de cárcere, com comentários à política da época e ao dia a dia dos presidiários.


1918

Manuel de Boaventura é eleito sócio efetivo do Instituto Histórico do Minho. Nesse mesmo ano, torna-se correspondente da Academia de Ciências de Portugal. Pertence também à Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, à Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto e à Sociedade Portuguesa de Escritores.

Neste ano, é nomeado Sub-inspetor Interino de Viana do Castelo.


1918-1920

É fundador e redator principal do semanário «A Verdade».


1921

É fundador da Ronda de Vila Chã.


1927

«Contos do Minho» é editado e dá-nos a conhecer usos e costumes da região esposendense.

É nomeado Sub-inspetor Interino de Moncorvo.


1928

É nomeado Sub-inspector Interino de Aveiro.


1930

É designado Inspetor-chefe da Região Escolar de Leiria.


1932

A Chancelaria das Ordens Portuguesas confere-lhe o grau de Oficial da Ordem de Benemerência, que Boaventura não aceitou, solicitando que o galardão transitasse para a Junta Geral do Distrito, da qual era seu presidente.


1933

É transferido para Braga, a seu pedido.


1939

Neste ano, é transferido para a Guarda.


1941

Aposenta-se como Director Escolar do distrito da Guarda.


1943

É nomeado Vice-Presidente da Câmara Municipal de Esposende.


1961

É eleito Presidente do Convivium-Estúdio de Escritores e Artistas, de Braga, após falecimento do Poeta António Correia de Oliveira, que até então havia desempenhado o cargo de Presidente.


1973

Manuel de Boaventura morre num acidente de viação, no dia 24 de Abril.