Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Apresentado Livro/Católogo “Há Festa em Belinho”

_DSC1006
_DSC1026
_DSC1032
_DSC1060
_DSC1069
_DSC1086
_DSC1105
_DSC1111
12 Maio 2024

Publicação retrata Procissão do Senhor aos Enfermos e Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia

A uma semana da realização da Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, a Paróquia de Belinho acolheu, no Centro Paroquial, a sessão de apresentação do Livro/Catálogo “Há Festa em Belinho”, uma edição da Câmara Municipal de Esposende, que resulta de uma candidatura ao programa “Amar o Minho” - Minho Inovação PROVERE - Aldeias de Portugal - “Há festa em Belinho”, do Portugal 2020.

Da autoria do investigador Álvaro Campelo, a publicação constitui um registo, histórico e atual, da Procissão do Senhor aos Enfermos e da Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, uma edição que se enquadra no amplo trabalho que o Município de Esposende tem vindo a desenvolver com vista à preservação e valorização do património imaterial do concelho. O Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, que se fez acompanhar da Vereadora da Cultura, Alexandra Roeger, salientou o papel determinante do Município na missão de identificar, registar, valorizar e “dar escala” às tradições de cada freguesia, preservando o património imaterial concelhio. Sublinhou que esta função deve ombrear com a concretização de projetos e de obras, assumindo igual importância, na medida em que está em causa a identidade de um povo. Destacando a proximidade à fé das gentes de Belinho, que se encontra refletida nesta publicação, Benjamim Pereira enalteceu o empenho e determinação da comunidade em manter vivas as suas tradições. Agradeceu ao autor Álvaro Campelo pelo aturado trabalho desenvolvido e o contributo de todos quantos colaboraram nesta edição.

O autarca afirmou que tem sido uma constante a atuação do Município na preservação do património do concelho, apontando, a título de exemplo, a edição do “Roteiro do Património Cultural Religioso”, o trabalho desenvolvido em torno do Banho Santo de S. Bartolomeu do Mar, com vista à sua classificação como Património Cultural Imaterial, a criação do Museu do Sargaço e do Centro Interpretativo do Junco de Forjães, referindo também o Centro Interpretativo de S. Lourenço e o projeto do Parque Temático dos Moinhos da Abelheira. Referiu, ainda, a dinâmica do Museu Municipal, o investimento permanente em Arte na Rua, bem como na requalificação da Biblioteca Municipal e na criação do Arquivo Municipal. Afiançando que esta aposta e estratégia é para manter, o Presidente da Câmara Municipal adiantou que está em perspetiva a criação da Casa-Museu do escritor Manuel de Boaventura e assumiu o compromisso de dar visibilidade à arte de trabalhar a pedra, que tanta expressão tem no concelho, nomeadamente em Belinho.

“Somos muito ricos do ponto de vista cultural”, vincou, notando que o concelho pode beneficiar em termos turísticos desta riqueza cultural, diferenciadora de outros territórios.

Na apresentação do Livro/Catálogo “Há Festa em Belinho”, Álvaro Campelo debruçou-se sobre estas duas manifestações de fé. Sublinhou que, na Procissão do Senhor aos Enfermos, “a comunidade de Belinho está dentro dos problemas do mundo” ao refletir as problemáticas que o ameaçam, e referiu que a Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia configura uma analogia com o percurso vivencial dos cristãos. O investigador saudou a entrega, dedicação e a vivência da comunidade de Belinho em torno destas manifestações, sublinhando a envolvência dos mais jovens, “testemunho da passagem de uma herança patrimonial às novas gerações”.

Deu nota de que há ainda trabalho a desenvolver para a classificação da Procissão do Senhor aos Enfermos a Património Cultural Imaterial, nomeadamente no que se refere à sustentabilidade dos materiais usados. Concluiu a sua intervenção, exortando a comunidade a manter o mundo no centro destas manifestações de cultura e de fé.

Partilhando deste posicionamento, o Pároco de Belinho, Padre José Manuel Ledo, realçou o testemunho que é passado às novas gerações, saudando, assim, a edição de uma publicação que perpetua as tradições e as devoções das gentes de Belinho. Expressou, por isso, agradecimentos a todos quantos tornaram possível a edição deste Livro/Catálogo, no que foi secundado pelo Presidente da Junta da União das Freguesias de Belinho e Mar, Manuel Abreu, que realçou a importância desta publicação e o contributo do Municipio para a preservação da cultura e das tradições das suas freguesias.

Manifestações de fé

A Procissão do Senhor aos Enfermos, com praticamente um século de existência, é uma verdadeira desmonstração do brio e do trabalho do povo de Belinho. Todos os anos, no Domingo de Pascoela, as ruas da freguesia ficam cobertas por tapetes decorativos, arcos festivos, empanadas e centros, cuja arte e beleza é do melhor que se pode encontrar pela região do Minho. Por entre performances teatrais religiosas e fogo de artifício, o centro é a visita às casas, para se dar lugar à bênção dos mais velhos e a quem tem dificuldades de saúde. Já a Peregrinação Arciprestal a Nossa Senhora da Guia, mais recente, mas em claro crescimento, ocorrendo no mês de maio, é uma demonstração da fé do povo do concelho de Esposende, que reúne todas as paróquias numa procissão que sobe o Monte da Guia até chegar ao Santuário de Nossa Senhora da Guia.