Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Município de Esposende acolheu apresentação do livro “Práticas Artísticas, Participação e Política”, de Hugo Cruz

Li 1 1024 2500
07 Abr

Liv
O Município de Esposende acolheu, na passada quarta-feira, 6 de abril, a apresentação do livro “Práticas Artísticas, Participação e Política”, de Hugo Cruz. A sessão contou com a participação do autor, assim como de Álvaro Laborinho Lúcio, escritor e autor do posfácio, Margarida Marques e Cristina Maia, participantes do projeto AMAReMAR, e do Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.
Vincando a importância e os cruzamentos entre a educação, a cultura, o desenvolvimento social, a democracia e a participação ativa dos cidadãos, Laborinho Lúcio debruçou a sua apresentação do livro como um espelho destas dimensões nas realidades alvo de estudo, nomeadamente em Portugal e no Brasil.
Realçando a qualidade do trabalho e do autor, enfatizou a experiência retratada na publicação em torno do projeto AMAReMAR, promovido pelo Município de Esposende, “como fator de empoderamento da comunidade, no sentido de alavancar as suas potencialidades, de promover a prática da discussão de soluções comuns através do diálogo e da livre partilha de ideias, de ultrapassar barreiras e estereótipos, entre outras dimensões”.
Laborinho Lúcio enfatizou ainda a importância deste trabalho apresentado, que teve por base a tese de doutoramento do autor, conseguir levar, de forma inequívoca, a temática das práticas artísticas comunitárias para o seio da “academia”, como matéria com enorme potencial de aprofundamento, pelas múltiplas dimensões inerentes. Enfatizou ainda o percurso do autor, particularmente o facto de não se ter “acomodado” à aquisição de conhecimentos, mas de colocar, diariamente, “a mão na terra”, trabalhando com diversas comunidades, em várias latitudes, dentro e fora do país, com características muito diversas.
Hugo Cruz, autor da obra e especialista em práticas artísticas comunitárias, com particular formação na área do teatro, apresentou os propósitos e a metodologia de trabalho inerente ao amplo estudo realizado, aqui retratado. Conforme referiu, as práticas artísticas participativas e comunitárias têm reunido um interesse crescente na atualidade.
A construção destas práticas tem acontecido num duplo sentido: se, por um lado, a criação artística contemporânea tem aprofundado a sua dimensão participativa, por outro, a educação e a intervenção comunitária e social têm recorrido às linguagens artísticas como alternativa às abordagens tradicionais. Num momento de particular instabilidade para as democracias e para a nossa vivência coletiva, o livro procura cruzar contributos da arte, da participação e da política, num diálogo intenso entre teoria e prática. Com este trabalho, o autor partilha com o público a riqueza das vivências de projetos de arte comunitária em Portugal e no Brasil, envolvendo 332 pessoas de 23 grupos teatrais.
Sendo um dos projeto visados o AMAReMAR, o autor destacou a aposta e o investimento continuado do Município de Esposende nestas dimensões, que têm permitido promover o acesso democratizado da comunidade a bens culturais e, mais do que tudo, tem potenciado a união e o trabalho coletivo em prol de ideias e projetos comuns, que extravasam a dimensão artísticas, mas que encontram nas artes a ignição e o meio para a sua concretização. Hugo Cruz enfatizou ainda a forma como o Município tem encarado o projeto, numa lógica de promover este crescimento coletivo, sustentado em pilares importantes como são o da democracia e da participação.
A representar o projeto AMAReMAR, Margarida Marques e Cristina Maia apresentaram o seu testemunho, como participantes ativas. Na sua aceção, o projeto, iniciado em 2015, veio trazer uma nova vida à comunidade, pela oportunidade gerada, com apoio dos formadores e dos técnicos do Município, para a aprendizagem e descoberta de competências, para o estreitar de laços entre os cidadãos, para um maior conhecimento sobre a história local, como ponto de partida para refletir sobre o presente e projetar o futuro.
A encerrar a sessão, o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, manifestou, em nome da autarquia, o “orgulho em poder acolher a apresentação deste livro que tanto significado e importância tem, quer para a investigação nesta área, quer para cada um dos projetos visados”, referindo-se em particular ao projeto local que o Município, desde a sua fundação, acarinhou. Enquanto ator político, sublinhou a dimensão da participação cívica ativa e a importância que deve assumir para o projeto comum de gerir, com qualidade, eficácia e transparência, os bens públicos.
Benjamim Pereira aproveitou para agradecer o trabalho que Hugo Cruz tem desenvolvido nesta área, em particular, em Esposende, e o interesse em apresentar a obra neste território, assim como a Álvaro Laborinho Lúcio, pelo tanto que acrescenta à reflexão em torno de todos os contributos que o livro nos apresenta, inclusive como suporte para o pensamento estratégico ao nível dos investimentos nestas áreas.
“O Município estabeleceu para este mandato, como áreas de eleição e sem esquecer as demais, o Ambiente e a Cultura, pelas múltiplas interseções que estas dimensões assumem para a qualidade de vida das comunidades e para o desenvolvimento de cada munícipe”, disse Benjamim Pereira. O presidente da Câmara Municipal de Esposende convidou o público para assistir à próxima apresentação performativa do projeto AMAReMAR, que ocorrerá no dia 25 de abril, às 16h30, no Auditório Municipal de Esposende, no âmbito da programação VIVER ABRIL. Benjamim Pereira reforçou o apoio a este e a outros projetos que cruzam as dimensões da cultura, da educação e do social, como grandes pilares para construção de uma sociedade mais culta, justa e solidária.