Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Forte S. João Baptista acolhe exposição sobre os 500 anos da viagem de circum-navegação

227582344 1029574331129485 3865346054377055195 n 1 1024 2500
06 Ago

229026006_214569887140802_5190803733110862042_n
Abriu hoje, dia 6 de agosto, ao público a exposição “Patrimónios Emersos e Submersos – Do Local ao Global”, inserida nas comemorações dos 500 anos da primeira viagem de circum-navegação do globo terrestre, iniciada por Fernão de Magalhães e terminada por Sebastián Elcano. Além de assinalar “a abertura do Forte S. João Baptista ao público”, o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, vincou a vertente cultural que o espaço adquirirá, mostrando a “infindável riqueza arqueológica do território, cuja descoberta, estudo e preservação decorrem, em larga medida, da proteção que o Município de Esposende dedica”.
Aludindo à exposição que integra o 5.º Centenário da Primeira Viagem de Circum-Navegação, Benjamim Pereira recordou “a epopeia dos Descobrimentos, a importância que o porto de Esposende teve na época, na construção de embarcações que abriram novos mundos ao mundo”.
Benjamim Pereira referiu-se à missão de preservar, de estudar e de divulgar o Património Cultural, contando a exposição com referências à investigação multidisciplinar que tem como ponto central o Naufrágio Quinhentista descoberto em Belinho.
“Depois de descoberto o navio Quinhentista, na praia de Belinho, e da descoberta de diversos materiais líticos associados ao período da Pré-História Antiga e de fragmentos de cerâmica, atribuídos ao período romano, na praia da foz do ribeiro de Peralta, em Rio de Moinhos, fomos, recentemente, brindados com os vestígios da Foz do Neiva, que remontarão à Idade Média ou à Época Romana e, na abertura do canal intercetor, em Marinhas, foi descoberto um conjunto de artefactos pré-históricos. Estas surpresas obrigam à reação rápida do Serviço de Património Cultural, do Município de Esposende, que atua numa frente alargada e multidisciplinar, e cuja ação tem contribuído para a preservação e a divulgação, através de estudos sustentados pela comunidade académica”, destacou o presidente da Câmara Municipal de Esposende.
Em representação da comissão científica das ações “Circum-navegando… Do Local ao Global”, Amélia Polónia, Professora no Departamento de História, Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e coordenadora científica do Centro Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória enquadrou o projeto que “consubstancia a articulação do local com o global”.
“Esta exposição mostra-nos que, para além das rivalidades imperiais, os homens marítimos eram os construtores de um mundo global. Esposende destaca-se, à sua maneira, complementando outras vertentes locais, nomeadamente com a construção naval, onde a criatividade humana soube adaptar-se às contingências”, disse Amélia Apolónia.
Esta investigadora espera que esta exposição faça com que “a comunidade se reveja nesta História e permita recuperar saberes, transferência de conhecimento e qualificação”.
Enquanto representante da comissão da exposição “Patrimónios Emersos e Submersos – Do Local ao Global”, Susana Medina, da Universidade do Porto, elencou as bases que sustentam este projeto, desde logo suportadas num trabalho multidisciplinar, de base tecnológica que permite levar mais longe a investigação.
“Os achados arqueológicos adquirem uma importância de universalidade que transcende a região. Esta exposição permite, ainda, dar a conhecer a toda a comunidade, os resultados de uma investigação que, muitas vezes, não chega ao cidadão comum. Destaco essa vontade do Município de Esposende em devolver aos cidadãos o investimento feito na investigação”, sublinhou Susana Medina.
A exposição pode ser visitada de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 e a entrada é gratuita. Quem pretender efetuar visitas orientadas deve solicitar, através do telefone 253 960 179 ou do e-mail arqueologia@cm-esposende.pt e observar as regras da DGS.