Passar para o Conteúdo Principal

Enquadramento

imagem

A 5 de Janeiro de 1993, passados, sensivelmente, dois anos da morte do Mestre foi publicado no Jornal de Letras um artigo, “O arquitecto e o amigo” do escultor e pintor José Rodrigues, segundo as suas declarações Viana de Lima dizia-lhe: “Sabes, Zé, a arquitectura não é só a parte de fora, é preciso andar por «dentro», percorrê-la;
— Sabes, às vezes um raio de luz que rompe por uma fresta e se transforma em sombra também pode ser arquitectura.
Punha-me a mão no ombro e ia mostrando «Vês aquela janela? O fora e dentro pode ser uma só coisa…» e continuava a andar…
Depois veio a aventura de levantar (recuperar, como gostava de dizer) uma ruína…“

Jacinto Rodrigues descreve Viana de Lima como o Mestre que foi um pedagogo notável. Guiou para a Universidade uma nova contribuição estética, uma metodologia inovadora assente na escola da Bauhaus e que não era um nostálgico: “O arquitecto Viana de Lima não procurava fazer a reconstrução arqueológica dos edifícios; antes reutilizava-os numa linha de contemporaneidade, dando-lhes uma nova vocação histórica”. Esta imagem da ideologia de Viana de Lima sentida pelo sociólogo pode ser um início para o conhecimento desta obra das Marinhas, VL. Ainda podemos aportar que estes dois testemunhos sobre o Mestre Viana apontam numa mesma direcção da arquitectura que se reflete na sua casa das Marinhas. O efeito da promenade arquitectural, da trajectória, do seu significado do todo uno do fora e dentro se funde “numa só coisa”.

Deste modo, a procura do seu habitat natural para Viana de Lima era um dos seus objectivos e o moinho, como o Eng.º Napoleão Amorim seu colaborador e amigo confidenciou, que inicialmente o arquitecto tinha a intenção de adquirir um moinho no lugar da Abelheira e que ele mesmo também deveria adquirir um outro. Este lugar localiza-se sensivelmente a nascente da casa de Viana de Lima (VL). Os primeiros esquiços que podemos encontrar no seu espólio17 revelam um terreno íngreme que o nosso arquitecto procura organizar, acoplado a um moinho, uma planta base inserida num quadrado. Na sequência da revelação do Eng.º Napoleão, depreendemos que os primeiros desenhos são realizados para um moinho no local anterior. O princípio da composição com estes dois elementos, a circunferência da planta do moinho e o quadrado vão permanecer até ao fim. O programa doméstico condensado também se mantém até a conclusão do projecto final. A variação entre as primeiras intenções de esquiços e à conclusão da sua missão é a localização e a escala do objecto que lentamente se vai ajustando.