Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Esposende, cidade inteligente

 dsc2933 1 1024 2500
06 Set

_DSC2837

Tendo como palco o Forte de S. João Baptista, “uma edificação do passado a servir de berço à preparação do futuro”, nas palavras do Presidente da Câmara Municipal, Benjamim Pereira, o Município de Esposende realizou ontem, dia 5 de setembro, a apresentação do projeto “Esposende SmartCity”.

Assente nos pilares Sustentabilidade, Pessoas, Território e Arte, e tendo como grande propósito a qualidade de vida das populações, o projeto desenvolve-se em cinco eixos: Cidade Analítica, Cidade Resiliente, Cidade Preditiva, Cidade de Conhecimento e Educação e, ainda, Território Criativo, vetores que se relacionam intrinsecamente com o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas.

O Presidente da Câmara Municipal assinalou a relevância e o alcance da “cidade inteligente”, materializada na aplicação da tecnologia em projetos estruturantes em áreas decisivas como ambiente, mobilidade, energia, cultura e património e reabilitação urbana.

“Se queremos ser uma cidade atrativa, um território inclusivo, temos que criar as condições para satisfazer as necessidades dos nossos cidadãos, de forma rápida, fiável e expedita, dentro das potencialidades deste mundo novo em que vivemos”, afirmou, notando que Esposende possui já um conjunto de informação muito relevante para o desenvolvimento do trabalho que se perspetiva. A título exemplificativo, explicou que a gestão inteligente permitirá melhorar um conjunto de áreas de intervenção, como a rede de iluminação pública, os consumos/fugas de água, a recolha de resíduos ou a gestão das redes de rega. O sistema de informação possibilitará também conhecer as dinâmicas dos turistas e visitantes e avaliar a qualidade do Ar, Ruído e Índice Ultravioleta e contempla a potenciação do sistema de informação geográfica (SIG) que possibilitará uma melhor gestão das operações no terreno. “Esposende cidade inteligente” perspetiva também uma rede wi-fi abrangente ao território e uma rede alargada de carregamento elétrico de viaturas. Contudo, o seu âmbito é muito mais vasto e abrangente, incidindo sobre todas as áreas de intervenção do município.

Benjamim Pereira reconhece que ao posicionar-se como SmartCity, Esposende inicia “uma caminhada interminável, na medida em que o desenvolvimento tecnológico acompanhará sempre o desenvolvimento da humanidade”. Em todo o processo é, contudo, fundamental, segundo o autarca, “a afirmação deste território de forma diferenciada, através da experienciação e contacto com a arte como prioridade para Esposende”. A terminar, expressou agradecimentos a todos os que estiverem envolvidos na concretização do projeto.

O dstgroup suporta a implementação do projeto na sua componente tecnológica, de sensorização e arte através da solução Mosaic e da zet_gallery. Na sua intervenção, o Presidente do Conselho de Administração do dstgroup, José Teixeira, destacou a integração das artes no projeto Esposende SmartCity e enalteceu as virtualidades da componente cultural no processo de desenvolvimento dos territórios.

A instalação artística ambiental, da autoria de Pedro Tudela e Miguel Carvalhais, ontem inaugurada na zona ribeirinha, junto ao Forte de S. João Baptista, foi apontada por José Teixeira como “uma obra que liga as artes e a música e que gera uma sensação de bem-estar”. Defendendo que a arte é serviço público, o presidente do dstgroup saudou o Município de Esposende por esta aposta.

O Diretor do Instituto de Bio Sustentabilidade da Universidade do Minho, Tiago Miranda, afirmou que Esposende se diferencia de outros projetos de cidades inteligentes, na medida em que se apoia nos pilares da Sustentabilidade, das Pessoas, do Território e da Arte, notando que é também inovador porque envolve equipas multidisciplinares tanto do Município como da iniciativa privada e da Academia. Clarificou, a propósito que o Instituto de Bio Sustentabilidade da Universidade do Minho contribuirá no âmbito do eixo Cidade Resiliente, no que concerne aos desafios relacionados com a nova economia do mar, a proteção ambiental, a preservação da biodiversidade, a resiliência das infraestruturas costeiras e a adaptação às alterações climáticas. Adiantou, ainda, que atuará também no eixo Território Criativo, através de iniciativas artísticas promotoras de princípios de sustentabilidade ambiental.

A sessão de apresentação do Esposende SmartCity concluiu com a inauguração da instalação artística ambiental “octo _ _ _ _” , da autoria de Pedro Tudela e Miguel Carvalhais. Coube a Pedro Tudela fazer a apresentação da obra, composta por oito módulos de ferro pintados a negro (zona exterior) e vermelho (no interior), e que incorpora as componentes sonora e visual. O artista explicou que “cada módulo tem uma presença física - matéria, volume, cor, densidade, luz, temperatura - mas também uma presença sonora - emanando som, destacando-se a relação da instalação com o meio natural em que se insere.

Mais informações sobre o projeto aqui